Últimas Notícias

Envie informações sobre o concerto de sua Banda

Clique aqui

24/10/2014 - Recorde de inscritos e concertos marcam Oficinas Técnicas Itinerantes

Cursos oferecidos em três cidades se reverteram em sucesso, geraram desdobramentos e alimentaram censo

Ação integrante do Coreto Paulista, programa do Governo do Estado de São Paulo por meio da Secretaria da Cultura e realizado pelo Conservatório de Tatuí, as Oficinas Técnicas Itinerantes registraram recordes e inovação. Os cursos oferecidos gratuitamente a instrumentistas nas cidades de Adamantina, Itapeva e Leme nos dias 18 e 19 de 2014 computaram recorde de inscritos e resultaram em concertos realizados em todas as cidades.
“Nós tivemos um número de inscritos antecipados de quase 500. Para ser exato, 492 pessoas. Obviamente, que divididas nos três municípios”, destacou o coordenador, Marcelo Maganha, à frente da ação desde o ano de 2010. Das três cidades selecionadas, Adamantina registrou o maior número de inscritos: 214.
“O sucesso já começou por aí”, adicionou Maganha. Para ele, o resultado final não foi outro senão excelente. Por meio das oficinas, ministradas nos cursos de regência, flauta transversal, clarinete, saxofone, trompete, trompa, trombone, tuba e percussão, os instrumentistas tiveram ganho pedagógico e prático.
Mostra disso foram os concertos de música de câmara desenvolvidos com cada uma das turmas. “Foi perceptível vê-los (os instrumentistas) no primeiro dia de aula e, depois, na finalização com os concertos”, disse o coordenador.
Com média de dez minutos, as apresentações dos estudantes aconteceram em grupos ou com parte deles. “Nós diversificamos um pouco, e tudo aconteceu de modo muito interessante. Todos participaram”, ressaltou Maganha.
Nos concertos, os alunos apresentaram obras com três arranjos de Max Ferreira. O músico é regente da Corporação Musical de Leme, spalla da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira) e integrou o corpo de docentes que repassou conhecimento para os instrumentistas.
Ferreira ministrou curso de regência, mesma área trabalhada pelos professores Akira Miyashiro e Marcos Virmond. Edson Beltrami, Isaura Melo e Otávio Blóes lecionaram para classes de flauta transversal. O curso de clarinete ficou a cargo de Julio José de Oliveira Neto, Marcelo Afonso e Rafael Pelaes.
As aulas de saxofone foram ministradas por Maikel Morelli, Giancarlo Medeiros e Rafael Migliani. Trompete teve curso a cargo de Claudio Cambé Sampaio, Gerson Brandino e Lino Martins. Em trompa, o conhecimento foi transmitido aos músicos selecionados por Rafael de Almeida Proença.
Ministraram trombone: Edmilson Baía, Marcelo de Jesus Silva (BamBam) e Reinaldo Camargo. Tuba ficou a cargo de Luciano Vaz, Marco Antonio de Almeida Junior e Ricardo de Souza Francisco. As aulas de percussão tiveram como professores Agnaldo Silva, Luis Marcos Caldana e Robson Moraes (Bob).
“Fiquei muito feliz com o resultado. Espero que as oficinas continuem. Ainda mais porque é algo que acontece há muito tempo e que garante formação para pessoas de cidades mais distantes”, citou Maganha.
Objetivo das Oficinas Técnicas Itinerantes, a transmissão de conhecimento para músicos que se situam em espaços distantes do Conservatório de Tatuí teve como resultado uma constatação. Conforme o coordenador, a demanda registrada nesta edição – um dos maiores recordes do Coreto Paulista – evidenciou o fato de que há imensa procura por capacitação e buscas pela profissionalização.
Elas partiram de um total de 24 cidades interessadas em receber as orientações. Dessas, três passaram pelo processo de seleção por cumprir com todos os requisitos previstos no regulamento. O coordenador visitou, pela primeira vez, todas as cidades que se inscreveram e atenderam as exigências do edital.
No total, Maganha percorreu 18 municípios, totalizando mais de 3.000 quilômetros. “Visitei cidade por cidade. Segui à risca o que determinou o edital, verificamos localização e os grupos que poderiam ser contemplados”, relatou.
Como contrapartida, as cidades selecionadas tiveram de ceder espaço para viabilizar as aulas. Adamantina, por exemplo, ofereceu estadia para os alunos com café da manhã, almoço e jantar, mais alojamento. “Tudo isso foi um ponto predominante para escolha. Infelizmente, houve outras cidades no Estado que não deram essa contrapartida, mas que também eram favoritas”, disse.
Abrangência
Apesar de parecerem limitadas a três municípios, as Oficinas Técnicas Itinerantes realizadas pelo Conservatório de Tatuí registraram amplitude. Em Adamantina, por exemplo, a coordenação recebeu inscrições de músicos não só da região daquele município como de outros Estados do país. “As pessoas buscam, cada vez mais, conhecimento. Já recebi vários e-mails de alguns participantes que solicitaram mais materiais didáticos”, contou.
Dessa forma, os cursos têm caráter multiplicador. Maganha explicou que as instruções provocam desdobramentos, como continuidade dos níveis, ou o início da profissionalização de grupos por conta da participação de instrumentistas. Como as aulas não possuem uma “linha fixa”, diferentemente do Curso de Férias e outras ações do Coreto Paulista que são direcionadas, elas possibilitaram a participação de instrumentistas em diferentes níveis. “Essa mescla, essa troca de experiências também é muito importante”, ressaltou o coordenador.
Os cursos realizados em um ano ainda servem como norte para a definição das aulas do ano seguinte. Em 2014, Maganha e equipe detectaram a necessidade de voltar a realizar curso de editoração de partituras e conserto de instrumentos. Esses já haviam sido temas de oficinas promovidas anteriormente.
Há casos, também, em que os cursos são adicionados na mesma edição conforme demanda. “Exemplo disso, é a aula de trompa, que eu não havia colocado, mas deixado em separado caso necessitasse”, mencionou o coordenador. O curso desse instrumento foi oferecido para músicos em Adamantina.
O Coreto Paulista é um programa do Governo do Estado de São Paulo voltado ao incentivo de bandas nas áreas de sopro e percussão. Neste ano, ele contempla Curso de Férias, Concurso Nacional de Composições para Bandas, Seminário de Regência, Semana da Composição e Oficinas Técnicas Itinerantes.
Além de direcionamento para os músicos, os cursos contribuem para a atualização do censo de bandas, também incluso como atividade do Coreto Paulista. Com isso, é possível realizar mapeamento das corporações musicais que existem no Estado.
Conforme Maganha, a quantidade de corporações musicais em São Paulo se aproxima de 3.500. O número faz com que o Estado se equipare a Minas Gerais, que tem o maior número de bandas do país. “Com os dados que temos, chego à conclusão de que São Paulo tem mais bandas que Minas”, ressaltou.
A afirmação se baseia no fato de que o mapeamento só leva em consideração as corporações de sopros e percussão, sem contabilizar as da área de cordas. São bandas sinfônicas, marciais, fanfarras, de igrejas e orquestras que, ano após ano, beneficiam-se cada vez mais do Conservatório.